Depósito a Prazo para Reformados no BES

2

As soluções de Depósito a Prazo a nível nacional tentam abranger um mercado muito vasto e muito poucos bancos especializam-se na criação de depósitos para segmentos específicos. O Banco Espírito Santo contraria esta tendência com a criação de um depósito a prazo para reformados.

Conta Poupança Reformado

O que deve contemplar um depósito a prazo para reformados?

Neste tipo de aplicação surge a necessidade de garantir que o depositante tem um método fácil de levantar o dinheiro mesmo para os períodos de depósito mais curtos. Isto é: A liquidez deve ser máxima e as aplicações devem ser optimizadas para um horizonte de curto-médio prazo.

Como é que um reformado pode diversificar os seus depósitos a prazo?

Nesta altura da vida é essencial diversificar o capital por um número maior número de activos. No que toca apenas a depósitos a prazo é importante diversificar em termos de maturidade. Uma alocação recomendada pelos mais reputados teóricos em finanças é a seguinte que está adaptada para os níveis de poupança actuais em Portugal no momento da reforma; é assumido um valor acumulado líquido antes da reforma de 75.000€ dos quais 20% são alocados em depósitos a prazo (15.000€) e é assumida uma reforma líquida mensal de 600€:

  • 50% Deverá ser alocado num depósito a prazo com um prazo superior a 2 anos;
  • 10% deverá ser colocado num depósito a prazo a 1 ano;
  • 40% Deverá ser colocado em depósitos inferiores a 1  ano.

Todos os depósitos devem ter a possibilidade de mobilização antecipada podendo incorrer na perda dos juros mas nunca na perda de parte do valor depósito inicial.

Qual a solução de Poupança nos Depósitos a Prazo oferecida pelo BES?

A Conta Poupança reformado oferece uma remuneração de 2,50% TANB para um período de 6 meses e 2,75% para o período de 1 ano – Valores acima das médias nacionais. O Prazo do Depósito a Prazo é curto e apenas tem essas duas variantes. O montante mínimo  de subscrição é de 250€ e poderá conseguir uma isenção de imposto sobre o rendimento se tiver um saldo inferior a 10.500€ podendo esta aplicação acabar por oferecer uma Taxa Anual Nominal Líquida melhor que a maioria dos depósitos, visto não ter que pagar 28% ao Estado.

Todavia, para continuar com a conta poupança activa deverá efectuar reforços mínimos de 250€. Para mais informações visite o website do BES:

http://www.bes.pt/sitebes/cms.aspx?plg=298026dc-ea0b-441e-bdd8-ac33ff4461d9

2 COMENTÁRIOS

  1. Podem explicar melhor o Tema Como um reformado pode diversificar os seus depósitos a prazo.
    A leitura do tema deixou-me confuso dado dizeram 20% em depósitos a prazo e seguidamente presumo 100% do restante em mais depósitos a prazo com prazos diferentes .
    Explicação com valores seria muito útil.
    Cumprimentos
    Jose Aguiar

    • Olá José Aguiar,

      Antes de mais: obrigado pelo seu comentário.
      Imaginemos que tem 100.000€ e hoje acaba de se reformar. Com esses 100.000€ sugerimos neste artigo colocar 20.000€ (20%) em depósitos a prazo. Os restantes 80.000€ devem ser destinadas a aplicações financeiras com algum risco.

      Estes 20.000€ que destinámos aos depósitos a prazo, vamos dividir da seguinte forma:

      50% Deverá ser alocado num depósito a prazo com um prazo superior a 2 anos;
      10% deverá ser colocado num depósito a prazo a 1 ano;
      40% Deverá ser colocado em depósitos inferiores a 1 ano.

      Ou seja:
      10.000€ Deverá ser alocado num depósito a prazo com um prazo superior a 2 anos;
      2.000€ deverá ser colocado num depósito a prazo a 1 ano;
      8.000€ Deverá ser colocado em depósitos inferiores a 1 ano.

      A ideia é que nenhum depósito a prazo é igual e as taxas de retorno variam de acordo com a maturidade do depósito a prazo. Dessa forma é importante diversificar em vários prazos.

      Os tais 80.000€ podem depois ser colocados em acções, obrigações e outros activos com maior risco. Isto porque o José vai estar a receber uma reforma e esse valor pode ser utilizado para os gastos diários.

      Alguma questão, disponha.

      Joana Simões.

DEIXE UMA RESPOSTA