Home Bancos O depósito de valor dos CTT

O depósito de valor dos CTT

A OPV dos CTT terminou ontem a sua primeira fase de subscrição, com a procura a superar 8,6 vezes a oferta.  Agora poderá ainda participar na operação até 2 de Dezembro, se bem que tendo em conta o rateio, a vantagem será menor. O público em geral pode subscrever até 25 mil acções, o que tendo em conta o amplo intervalo de preços – entre os 4,10 e os 5,52 euros – estaremos a falar num investimento máximo entre os 102,5 mil e os 138 mil euros, numa fatia que apenas corresponderá a 20% do capital disperso em bolsa, incluindo os 5% destinado exclusivamente aos trabalhadores da empresa.

Em suma, se a venda directa for muito significativa, o capital reservado aos institucionais poderá aumentar em 30%.

O valor justo dos CTT

O grande trunfo da OPV dos CTT envolve o dividendo que poderá estar em causa, na medida em que a empresa pretende distribuir 60 milhões de euros em dividendos já em 2014, o que implicaria uma rendibilidade de 8,3% com base no ponto médio do intervalo de preços, ou seja, 4,81 euros.

Neste contexto, seria o “dividend yield” mais interessante entre as vinte cotadas do índice da bolsa de Lisboa e um dos mais competitivos no seio do índice europeu Stoxx Europe 600. Mas, por exemplo, o Banco Big avalia o preço em 4,91 euros, numa perspectiva de avaliação moderada, mais ainda assim acima do preço médio. Se as acções forem colocadas pelo preço mais alto (5,52), o potencial de perdas seria de 11%, atendendo a esta preço justo do Big, ao passo que se forem colocadas peço preço inferior (4,1), o potencial de valorização seria de 19%.

Campanha OPV CTT

De acordo com o prospecto da operação, que pode ser consultado aqui, os CTT visam distribuir 90% dos lucros pelos accionistas através de dividendos, ainda que seja mencionado o risco de eventual alteração, em caso de necessidade de ajustamento da estratégia ou à situação financeira da empresa.

A estabilidade dos cash flows e a elevada liquidez, dado o baico nível de endividamento, são os maiores pontos fortes do desempenho económico, a ponderar com os riscos associados ao contexto macroeconómico doméstico, dado que a componente interna do negócio é maioritária, além do nível assinalável de concentração da carteira de clientes – 40% do negócio dos CTT depende de 20 grandes clientes.

Do ponto de vista dos grandes objectivos estratégicos está a criação do banco postal, pelo que um dos riscos será uma eventual não autorização de licença por parte do Banco de Portugal

Relembre-se que ao longo de 2013, as congéneres belga da bpost e a britânica Royal Mail foram igualmente alvo de privatização, com a primeira a beneficiar de uma valorização de 10,3% desde a estreia no mercado, enquanto a Royal Mail já valoriza 66,7% desde a entrada em bolsa em Outubro passado, também porque o preço estabelecido pelo governo britânico foi considerado baixo pela generalidade dos analistas.

A 3 de Dezembro se saberá o preço final.

 

Economista de formação e jornalista por devoção, tenho procurado nos últimos anos desenvolver competências na área da prospectiva económica, com foco nas questões da globalização e sustentabilidade. A incerteza é uma matéria-prima crucial na reflexão sobre o nosso futuro colectivo.

Artigos Similares

SEM COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta: