Home Bancos Ouro é aposta para 2014?

Ouro é aposta para 2014?

A cotação do ouro está em mínimos de uma década, desde o movimento de correcção que já se iniciou em 2011 nos mercados internacionais. Durante 2013, a cotação já desvalorizou 20%, mas a generalidade dos analistas continua expectante, dado que quaisquer perspectivas positivas para uma subida do preço dependem da recuperação da economia norte-americana e a forma como os mercados a absorvam. Assim, a Goldman Sachs, em nota enviada aos clientes, considera que até ao final de 2013, a onça deverá transacionar em torno dos 1300 USD e, durante 2014, assim que se confirmarem sinais de retoma económica, poder entrar num verdadeiro rally. Refira-se que a dívida americana aumentou em mais de um trilião de dólares no último ano, com um total acima dos 17 triliões. Este aumento da dívida em contexto de fraco crescimento do PIB reflecte um aumento do rácio da dívida e ,em paralelo, um aumento do poder de comptra dos activos reais, sobretudo os metais preciosos.

Ouro como refúgio

O investimento em ouro sempre foi considerado com relativamente seguro e, até, um porto de abrigo em contexto de crise financeira.

O receio de perder os capitais investidos noutros activos, nomeadamente no mercado acionista, alimentou uma forte procura do ouro entre 2008 e 2011, quer por via dos fundos de investimento, quer na componente física (em barra, moedas e jóias). Isto porque, a tendência para políticas de expansão monetária (leia-se emissão de moeda) traduz-se num aumento do valor do metal.

Gráfico cotação de ouro

A verdade é que os últimos dois anos foram palco de um agravamento da crise económica (e política) na Europa, sem que os EUA consigam convictamente crescer. A Fed mantem a taxa de juro de referência esmagada há cinco anos e não está ainda calendarizado o fim dos programas de estímulos monetários.

Daí que esta recta final do ano possa ser uma janela de oportunidade para comprar o metal amarelo, já que alguns analistas apontam para que a cotação da onça possa voltar a valores de 2500USD até ao final de 2014, o que representaria praticamente uma duplicação dos valores correntes. Na Comex, as resistências surgem entre os 1332 e os 1600 USD, com suportes nunca abaixo dos 1145 USD.

 

Economista de formação e jornalista por devoção, tenho procurado nos últimos anos desenvolver competências na área da prospectiva económica, com foco nas questões da globalização e sustentabilidade. A incerteza é uma matéria-prima crucial na reflexão sobre o nosso futuro colectivo.

Artigos Similares

SEM COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta: